Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Câmara / Notícias / Jhony Paixão propõe abaixo-assinado para permanência de escolas militares

Jhony Paixão propõe abaixo-assinado para permanência de escolas militares

por jip — publicado 16/11/2017 09h27, última modificação 28/01/2020 13h33
De acordo com o vereador, o movimento já colheu mais de 20 Mil assinaturas de apoio

O vereador Jhony Paixão (PRB) encabeça um abaixo-assinado para a permanência das escolas com regime militar. Segundo ele, a população está sendo chamada a opinar por causa do questionamento do Ministério Público (MP) de Rondônia e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Rondônia ( Sintero) sobre a legalidade da iniciativa.

 

“Estamos com um abaixo-assinado para a permanência das escolas militares por causa do posicionamento do Ministério Público”, admitiu Jhony Paixão. O vereador afirmou que o movimento de apoio já colheu mais de 20 mil assinaturas. “Eu convido toda a população a assumir essa causa”, acrescentou.  

 

O MP abriu uma ação direta de inconstitucionalidade, no início de outubro, contra as unidades do Colégio Tiradentes em Ariquemes, Vilhena e Ji-Paraná. De acordo com a ação, há desvio de função dos policiais militares, suspeita de privilégios nas vagas para filhos de militares e cobrança de taxas.

 

No entendimento do vereador, as escolas militares reduziram os índices de criminalidade e contribuíram para a aprendizagem dos alunos. Jhony Paixão informou que os estabelecimentos de ensino sob a tutela militar são opcionais para pais e alunos, cabendo a cada um a decisão de permanecer ou se transferir para outra unidade de ensino pública. 

 

Citando a Escola Tiradentes de Ji-Paraná, o vereador afirmou que a fila de espera por novas vagas na instituição chega mil alunos. “Isso comprova a adesão dos pais ao projeto das escolas militares”, frisou. As assinaturas estão sendo colhidas por meio eletrônico, igrejas, estabelecimentos comerciais e áreas públicas.

 

Com base na ação do MP, Jhony Paixão argumentou que também seria preciso interromper as ações do Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas) e a Guarda Mirim, por também terem militares na coordenação. Ele afirmou que os projetos obtêm bons resultados na orientação de crianças e jovens.

 

FONTE DA INFORMAÇÃO

|Texto: Jairo Ardull

|Fotos: Marcos Gomes

Mídias Sociais

Facebook Twitter Linkedin Youtube Flickr

Portal do Servidor

Transparência